Wednesday, 28 July 2021

Avaliação do Usuário: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

 

O CAE tem como principal função zelar pela concretização da alimentação escolar de qualidade, por meio da fiscalização dos recursos públicos

Na tarde de terça-feira (22), o Prefeito de Capão da Canoa, Amauri Magnus Germano, realizou uma reunião com integrantes do Conselho de Alimentação Escolar (CAE). Na oportunidade, os conselheiros tomaram posse, inclusive a nova diretoria do colegiado. A Secretária de Educação, Raquel Goldani, participou do ato.

O Prefeito de Capão da Canoa, Amauri Magnus Germano, destaca a atuação importante do colegiado. “O CAE cumpre um papel fundamental no desenvolvimento educacional do nosso município e buscaremos sempre dar o apoio necessário”, relata.

O Conselho de Alimentação Escolar (CAE) é um órgão colegiado de caráter fiscalizador, permanente, deliberativo e de assessoramento, instituído no âmbito dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, composto por, no mínimo, sete membros titulares e seus respectivos suplentes, sendo, representantes do Poder Executivo, trabalhadores da educação e discentes, entidades civis e pais de alunos.

Os CAEs têm como principal função zelar pela concretização da alimentação escolar de qualidade, por meio da fiscalização dos recursos públicos repassados pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), que complementa o recurso dos Estados, Distrito Federal e Municípios, para a execução do Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE.

Confira a nominata de conselheiros

- Representantes do poder executivo

Titular: Andréa Espíndola Rodrigues;

Suplente: Maria Regina Oliveira Padilha.

- Entidades de trabalhadores de educação

Titular: Flavio Eduardo Vidal de Souza;

Suplente: Vanessa da Silva Bernardes;

Titular: Eliane Pereira Antunes Scherener;

Suplente: Célia Fisner Almeida.

- Representantes dos conselhos escolares, associações de pais e mestres ou entidades similares

Titular: Giovane Pereira Feijó;

Suplente: Leandro Maximílio da Silva;

Titular: Lucilene Pinho de Oliveira;

Suplente: Josilaine Bassani de Matos Rodrigues.

- Representantes de entidades civis organizadas

Titular: Vera Lúcia Rizzi Bastos dos Santos;

Suplente: Giórgia Karla C. Albuquerque;

Titular: Enilda de Quadros Lopes;

Suplente: Marlene Teixeira.

 

 

Avaliação do Usuário: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

 

Maestro Emiliano Patarra, de São Paulo, é o convidado do evento 

 

O quarto concerto da Série Casa da OSPA destaca uma obra do compositor gaúcho Brenno Blauth que até hoje teve pouquíssimas execuções e também uma das sinfonias menos conhecidas do mestre alemão Ludwig van Beethoven, a quarta. A Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (OSPA), instituição da Secretaria de Estado da Cultura (Sedac), recebe como convidado direto de São Paulo o maestro Emiliano Patarra, diretor artístico da Orquestra Jovem Municipal de Guarulhos e da Orquestra GRU Sinfônica e diretor do Conservatório Municipal de Guarulhos. Pela primeira vez nesta temporada haverá um solo de sopro, com o flautista da OSPA Henrique Amado. O concerto é neste sábado, 26 de junho, às 17h, com transmissão online e público limitado a 15% da capacidade da Sala de Concertos da Casa da OSPA. O ingresso é a doação de 1kg de alimento perecível (mais detalhes no serviço).

 

O concerto representa uma oportunidade única de ouvir a obra “Concertino para flauta e orquestra de cordas”, de Brenno Blauth (1931 - 1993). Após a estreia, em 1975, no Rio de Janeiro, a peça só foi executada duas ou três vezes e não possui gravação conhecida. Sendo assim, a filmagem do concerto do próximo sábado, que permanece disponível no YouTube após a transmissão ao vivo, pode ser o primeiro registro da música deste importante compositor gaúcho que se tornou referência nas salas de concerto brasileiras. O concertino é novidade até para o flautista Henrique Amado, que será o solista da apresentação. Ele reforça a sua importância: “É uma obra muito relevante para o repertório da flauta transversal. Apesar de ser muito explorado na música brasileira, não tem muitos concertos escritos para solistas deste instrumento”. 

 

“O Brenno Blauth é um compositor absolutamente genial que a gente conhece muito pouco, então estamos resgatando a importância da escola de composição do século XX no Brasil e no Rio Grande do Sul. Fazer a revisão e divulgar o ‘Concertino’, registrar para que mais orquestras possam tocar, é uma atitude decisiva e fundamental”, comenta o maestro Emiliano Patarra.

 

Ainda em clima de comemoração aos 250 anos de Ludwig van Beethoven (1770-1827), celebrados em 2020, a OSPA viaja até a Europa do século 19 na segunda parte do concerto para executar “Sinfonia nº 4 em Si bemol maior, Op. 60”. A peça estreou em 1807, sob regência do próprio Beethoven, em Viena. Menos badalada do que as sinfonias mais ambiciosas do músico, a obra chama a atenção por sua introdução lenta e misteriosa. Na opinião de Patarra, “a quarta sinfonia é um tesouro a ser descoberto”. Ele lembra que a peça era a preferida de vários compositores do romantismo, como Felix Mendelssohn (1809-1847).

 

Visita segura

 

Em acordo com as orientações do Governo do Estado do RS referentes à pandemia da Covid-19, o concerto seguirá os seguintes protocolos de segurança: ocupação de 15% da capacidade da Casa da OSPA, disponibilização de álcool gel aos visitantes, uso obrigatório da máscara, medição de temperatura na entrada, distanciamento social nos espaços de passagem e na ocupação das poltronas da Sala de Concerto. Também é possível acompanhar os concertos da OSPA gratuitamente e ao vivo pelo canal da orquestra no YouTube e pela plataforma #CulturaEmCasa

 

Sobre Emiliano Patarra 

 

Formou-se em regência pela Faculdade Santa Marcelina (FASM), sob a orientação do maestro Roberto Duarte. Aperfeiçoou-se no Teatro Colón de Buenos Aires (Argentina), com o maestro Guillermo Scarabino, e na Orquestra Sinfônica de Concepción (Chile), com o maestro Luís Gorelik. Foi regente assistente e coordenador artístico da Orquestra Sinfônica Municipal de Santos, fundador e diretor musical do Núcleo de Ópera da FASM, produtor executivo e diretor musical do Festival Música Nova e fundador e regente titular da Orquestra do Theatro São Pedro, em São Paulo, além de diretor artístico do Theatro entre 2012 e 2014. Atualmente é diretor artístico da Orquestra Jovem Municipal de Guarulhos e da Orquestra GRU Sinfônica, das quais é fundador, além de diretor do Conservatório Municipal de Guarulhos e professor de regência na FASM há 20 anos. 

 

Sobre Henrique Amado

 

Formou-se bacharel em Música com Habilitação em Flauta pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), sob instrução de Jean Noel Saghaard, em 2010. Aperfeiçoou-se em cursos e participou de festivais no Brasil, Alemanha e Holanda. Foi músico de orquestras jovens, como a Orquestra Experimental de Repertório e Orquestra Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo, entre outras. Atuou como flautista em musicais, entre eles “O Rei e Eu”, “O Rei Leão”, “My Fair Lady”, “Wicked” e “Les Misérables”. Foi membro da Companhia de Ópera Curta por 10 anos e flautista/piccolista da Orquestra do Theatro São Pedro, em São Paulo. Como solista, já se apresentou à frente de diversas orquestras. Desde 2017, é flautista da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre.



Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (OSPA)

 

Terceiro concerto da Série Casa da OSPA – Temporada 2021

Blauth & Beethoven

 

Quando: 26 de junho de 2021, às 17h. Abertura das portas: 16h (o acesso não será permitido após o início do concerto).

Onde: Casa da OSPA (Centro Administrativo Fernando Ferrari (CAFF) – Av. Borges de Medeiros, 1.501 – Praia de Belas)

Ingresso: 1 kg de alimento não perecível. 

Bilheteria on-line*: uhuu.com, de quinta-feira (24), às 12h, até sexta-feira (25), às 11h59. Entrega do alimento no dia do concerto. 

Bilheteria física*: Casa da OSPA, na sexta-feira (25), das 12h às 17h, e no sábado (26), das 9h até o horário do concerto. Entrega do alimento ao retirar o bilhete.

*Acompanhe a disponibilidade de ingressos pelas redes sociais e pelo site ospa.org.br. Há limite de dois ingressos por CPF. 

Classificação indicativa: não recomendado para menores de 6 anos.

Acessibilidade: a Casa da OSPA oferece acessibilidade para pessoas com mobilidade reduzida e programas em braile.

Na internet: ao vivo, gratuitamente, em youtube.com/ospaRS e pela plataforma culturaemcasa.com.br

 

 

Programa:

 

Regência: 

Emiliano Patarra

 

Solista: 

Henrique Amado (flauta)

 

Blauth, Brenno 

Concertino para flauta e orquestra de cordas

I. Allegro moderato

II. Andante

III. Alla marcia

 

Beethoven, Ludwig van 

Sinfonia n° 4 em Si bemol maior, Op. 60

I. Adagio - Allegro vivace

II. Adagio

III. Allegro vivace

IV. Allegro ma non troppo

 

Direção Artística:

Evandro Matté  

 

Apresentação:

Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (OSPA) 

 

Lei de Incentivo à Cultura

Patrocínio da Temporada Artística: Banrisul e Alibem.

Patrocinadores da Casa da Ospa: Banrisul, Vero, Panvel, Grupo Zaffari e Gerdau.

Apoio da Temporada Artística: Dufrio e Sulgás.

Realização: Fundação Ospa, Fundação Cultural Pablo Komlós, Secretaria da Cultura do RS, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal – Pátria Amada Brasil.

 

Acompanhe a OSPA pelas redes sociais: 

facebook.com/ospabr

instagram.com/ospabr

twitter.com/ospabr



 

--

Assessoria de Comunicação da OSPA
Luiza Piffero - Jornalista
Maurício Paz - Jornalista 
Iasmin Bossa - Designer
Rua 24 de Outubro, 850/305
(51) 999865772

 

Avaliação do Usuário: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

 

Está pronto e com lançamento confirmado o catálogo geral das obras do acervo do Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul (MACRS), instituição vinculada à Secretaria de Estado da Cultura (Sedac). O evento, respeitando as normas de controle sanitário e distanciamento social, será dia 26 de junho, das 16h às 18h, nas galerias do MACRS, no 6º andar da Casa de Cultura Mario Quintana (CCMQ).

O projeto Arte Contemporânea RS, responsável por esta ação fundamental no campo das artes visuais, direcionou seu olhar para a catalogação do acervo do MACRS, resultando em uma publicação inédita em formato impresso e digital. O cuidadoso trabalho desenvolvido pela equipe de pesquisa, coordenado pela gestora e produtora cultural Vera Pellin, e orientado pela pesquisadora e curadora do projeto Maria Amélia Bulhões, catalogou 1813 obras de 921 artistas.

Em edição trilíngue (português, espanhol e inglês), o catálogo também é apresentado em versão online gratuita para download no site www.acervomacrs.com. A versão impressa é composta de 304 páginas e tem tiragem de 1.200 exemplares, a distribuição será administrada pela Associação de Amigos do MACRS (AAMACRS), conforme previsto no projeto, pelo site: www.amigosdomacrs.com.br.

O processo de trabalho, realizado pelo conjunto de profissionais e colaboradores, incluiu as etapas de pesquisa, documentação, digitalização, edição e impressão, demandando intensa dedicação, atenção e aprendizado. Entre os possíveis desdobramentos do projeto está a difusão e divulgação em diferentes mídias deste acervo de arte contemporânea que vem se constituindo ao longo de quase três décadas. Diferentes visões de mundo e expressões a respeito do nosso tempo estarão disponíveis a partir de agora em condição permanente. A partir do olhar desta geração de artistas se manifesta a história da arte contemporânea no Rio Grande do Sul, sendo o MACRS o principal Museu do estado focado nas atividades de preservação e conservação desta memória para as gerações futuras.

“A edição do Catálogo do Acervo do MACRS, com 1813 obras de 921 artistas, tem caráter inédito e viabilizará à comunidade artística a promoção, difusão, preservação e acesso à informação deste valioso patrimônio cultural, além de fonte de pesquisa ao público especializado e interessado. Sua edição impressa e digital possibilitará a emersão de novos processos de leitura e significação da arte ao conhecer, de forma ampliada, todas as obras que compõem este valioso acervo, suas linguagens, diversidade de técnicas e práticas artísticas”, afirma Vera Pellin.

Para o diretor do MACRS, André Venzon, a publicação é um forte indício da consistência desse caminho do Museu, de resgate da biografia desses artistas, doadores, gestores, servidores, estagiários e colaboradores que apontaram essa história, do seu início até hoje, para as novas gerações. “Trata-se de uma publicação indispensável para todos que desejam conhecer mais sobre arte contemporânea, com toda a força e pluralidade que a sua produção representa.”

“Compartilho de uma emoção coletiva ao finalizar o projeto Arte Contemporânea RS, destinado à catalogação do acervo do MACRS, que foi um grande desafio para todos os colaboradores e uma realização pessoal e institucional”, afirma a curadora Maria Amélia Bulhões. Para a professora e pesquisadora da UFRGS, “agora é possível olhar a totalidade do trabalho desenvolvido e perceber a amplitude e diversidade desse acervo, ondem se destacam obras em fotografia (469) e gravura (422), seguidas de pintura (236), desenho (167) e escultura (126), além de categorias mais recentes como vídeo (82) e livros de artistas (30), entre outras”.

A leitura da publicação, assim como da exposição, propõe um exercício experimental de compreensão, que amplia significados sem criar categorias ou estereótipos, destacando obras que marcam significativamente mudanças de perspectiva na produção artística da contemporaneidade, por suas estratégias, seus recursos materiais, formais ou de conteúdo. “Certas obras investigam os universos não hegemônicos, como o feminino, o negro, o indígena ou o marginal, procurando instaurar no sistema da arte a crítica e os debates de gênero, etnias e relações sociais conflitantes. O corpo é forte presença, colocando em pauta aspectos reprimidos da sexualidade. A relação com todas essas problemáticas tem espaço no conjunto da coleção”, complementa a curadora.

O projeto ainda contempla uma significativa exposição do acervo no MACRS, que pode ser conferida até 22 de agosto, com curadoria de Maria Amélia Bulhões, nas galerias Sotero Cosme e Xico Stockinger, além do espaço Vasco Prado, no 6º andar da CCMQ. De forma presencial e também virtual, o público pode conferir mais de setenta obras em diferentes suportes, marcando a multiplicidade e representatividade desse acervo.

O Arte Contemporânea RS é um projeto realizado com recursos da Lei Aldir Blanc nº 14.017/2020, com o financiamento da Secretaria de Estado da Cultura do RS, Secretaria Especial da Cultura e Ministério do Turismo do Governo Federal.

SERVIÇO:

Lançamento do Catálogo do Acervo do MACRS / Projeto Arte Contemporânea RS:

Dia 26 de junho, das 16 às 18h no MACRS, 6º andar da Casa de Cultura Mario Quintana - Rua dos Andradas, 736, Centro Histórico, Porto Alegre/RS.

Exposição coletiva do acervo MACRS / Arte Contemporânea RS:

Visitação até 22 de agosto de 2021, de segunda a sexta, das 10h às 18h, sábado das 13h às 18h, galeriasSotero Cosme e Xico Stockinger e Espaço Vasco Prado, 6º andar da Casa de Cultura Mario Quintana - Rua dos Andradas, 736, Centro Histórico, Porto Alegre/RS.

EQUIPE PROJETO ARTE CONTEMPORÂNEA RS

Produção/ Digrapho Produções Culturais - Carla Pellin D'ávila

Organização e Coordenação Geral - Vera Pellin

Pesquisa, catalogação e curadoria - Maria Amélia Bulhões

Auxiliares de pesquisa e catalogação - Caroline Ferreira, Luiz Felipe Schulte Quevedo, Nina Sanmatin, Malena Mendes, Mirele Pacheco, Kailã Isaias

Fotografia - Viva Foto - Fabio Del Re / Carlos Stein

Web Site - Laura Sander Klein

Design Catálogo - Janice Alves / Ângela Fayet


Informações para a imprensa:

Bebê Baumgarten Comunicação

 

 

 

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

You don’t have to speak Spanish to visit Latin America where the universal language of great hospitality is always practiced. We know that social media marketing, email marketing, search engine optimization, and more are incredibly effective foundational ways to grow your business and increase brand awareness.