Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed  | 

Facebook Twitter

Anunciar Empresa
Reunião Ordinária da Sessão Legislativa do dia 10 de dezembro de  2018. Câmara de vereadores de Balneário Pinhal.

Reunião Ordinária da Sessão Legislativa do dia 10 de dezembro de 2018. Câmara de vereadores de Balneário Pinhal.

  EXPEDIENTE: Chamada dos vereadores. Leitura das correspondências. Eleição da Mesa Diretora para o ano de 2019. Proposições para Publicidade. 1 - Projeto de Lei n°
Reunião Ordinária da Sessão Legislativa do dia 03 de dezembro de 2018. Câmara de vereadores de Balneário Pinhal.

Reunião Ordinária da Sessão Legislativa do dia 03 de dezembro de 2018. Câmara de vereadores de Balneário Pinhal.

  EXPEDIENTE I. Verificação de quórum - chamada dos Vereadores II. Leitura das Correspondências V. GRANDE EXPEDIENTE 1 – Requerimento nº 004/2018 – “Requer a
Prefeitos do litoral norte realizam reunião em Capão da Canoa

Prefeitos do litoral norte realizam reunião em Capão da Canoa

                                        Encontro integra o cronograma de trabalho da Associação de Municípios do Litoral Norte (Amlinorte) O Prefeito de Capão da Canoa e
Brigada Militar inicia Operação Papai Noel

Brigada Militar inicia Operação Papai Noel

                    O objetivo da atividade é combater a criminalidade de forma intensiva neste período de final de ano, onde há grande circulação
Capão da Canoa forma nova turma no curso de auxiliar de eletricista

Capão da Canoa forma nova turma no curso de auxiliar de eletricista

                    Ação foi originada de uma parceria entre o executivo municipal e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) Capão da Canoa passou
Câmara de Vereadores entrega títulos de Cidadão Osoriense

Câmara de Vereadores entrega títulos de Cidadão Osoriense

                                                                                                                                                                                    A Câmara Municipal de Osório realizou, na noite desta quinta-feira (06/12), no Plenário Francisco Maineri, a Sessão Solene para a
Secretaria da Saúde de Capão da Canoa disponibiliza novo ponto para emissão e atualização do cartão do SUS

Secretaria da Saúde de Capão da Canoa disponibiliza novo ponto para emissão e atualização do cartão do SUS

Moradores dos distritos de Capão Novo, Arroio Teixeira e Curumim poderão realizar o serviço na Farmácia Municipal em Capão Novo A Prefeitura
Gabinete de Gestão Integrada em Capão da Canoa é tema de reunião

Gabinete de Gestão Integrada em Capão da Canoa é tema de reunião

                      Representantes da Prefeitura de Capão da Canoa, Brigada Militar e Polícia Civil traçaram estratégias para fomentar participação da comunidade no reforço

Autor do impeachment diz que pedaladas são ‘crimes contra a pátria’


REALE-777x437
Esta postagem foi publicada em 15 de abril de 2016 Destaques 2, Destaques 3, Política.

Jurista Miguel Reale Júnior discursou na sessão desta sexta da Câmara.
‘Golpe’ é esconder dos brasileiros que o país ‘quebrou’, declarou jurista.

O jurista Miguel Reale Júnior, um dos autores do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, afirmou nesta sexta-feira (15), no plenário da Câmara, que as pedaladas fiscais cometidas pelo governo não são “meras infrações administrativas”, mas, sim, “um crime contra a pátria”.

Ele disse ainda que Dilma cometeu um “golpe” ao “quebrar o país” e “mascarar” a situação econômica, para garantir a reeleição.

“Cismam os palacianos em dizer que [o impeachment] se trata de um golpe. Golpe se houve quando se sonegou a revelação de que o país estava quebrado. Golpe, sim, houve quando se mascarou a situação fiscal do país. Continuaram a fazer imensos gastos públicos e tiveram que se valer de empréstimos de entidades financeiras controladas pela União, para mascarar a situação do Tesouro Nacional”, afirmou.

Para Miguel Reale, Dilma cometeu crime e agiu com “gravíssima irresponsabilidade em jogar o país na lama”.  “Vai dizer que não é crime? É golpe”, completou. Ele usou, em sua fala, 19 dos 25 minutos a que tinha direito.

Após a fala do autor do pedido de impeachment, coube ao ministro da Advocacia-Geral da União, José Eduardo Cardozo, fazer a defesa de Dilma. Em sua declaração, Cardozo afirmou que a presidente não cometeu crime e que o processo contra ela é “retaliação”.

Miguel Reale afirmou ainda que o país está ávido para ser libertado do “grilhão de mentira e corrupção”. “Estamos ansioso envolvidos numa longa doença que domina a política brasileira, queremos ressurgir para a saúde. Vossas excelências são os nossos libertadores”, disse dirigindo-se aos parlamentares.

Ele argumentou que as chamadas pedaladas fiscais, que são os atrasos nos repasses pelo Tesouro aos bancos públicos para o pagamento de benefícios sociais, continuaram “longamente” a ocorrer em 2015. “O Brasil entrou no cheque especial e está falido. E foi possível esconder essa realidade da população brasileira por meio das pedaladas”, afirmou.

O jurista disse ainda ser uma “mentira” e “falácia” dizer que a mesma prática era adotada por governos anterirores. “Essa verdade hoje é sentida nua e crua, especialmente pela população mais pobre do meu país”, sustentou.

Sobre os decretos de créditos extraordinários editados por Dilma, Reale declarou que a presidente passou por cima do Legislativo porque “sabia que não seriam aprovados”. “São gravíssimos esses fatos e vimos aqui pedir que seja acolhido o pedido de impeachment e afastada a presidente da República”, disse.

‘Lona’
Após falar no plenário, o jurista falou com jornalistas no salão verde. Ele disse o Brasil está “jogado na lona” devido à crise.

“Você, brasileiro, está perdendo o seu salário na medida em que a inflação come uma parte dele, ou está perdendo seu salário integralmente porque o veio o desemprego. Isso é consequência das pedaladas, isso é muito mais grave que qualquer crime que eventualmente o Collor tenha praticado. A vítima não é uma instituição, é o conjunto da população brasileira. Estamos na lona, estamos aqui como cidadãos pedindo o afastamento de quem foi a responsável por jogar o Brasil na lona”, afirmou.

O jurista disse ainda que o governo “tirou” a esperança do país. “Houve consciência dos deputados da necessidade de readquirir saúde, oxigênio, o país está aflito. Temos que sair dessa aflição. Os deputados foram sensíveis ao conhecer a gravidade do que foi feito, é mais grave do que pôr a mão no bolso de alguém e tirar o dinheiro, porque tirou a esperança”


859 Visualizações

Nenhum banner para exibir

Notícias em Destaque