Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed  | 

Facebook

Anunciar Empresa
Vereador Ademar Terra critica posicionamento da Expresso Palmares: “oportunistas!”

Vereador Ademar Terra critica posicionamento da Expresso Palmares: “oportunistas!”

                        Durante grande parte do ano passado, por iniciativa e incentivo do vereador Ademar Terra, em uma parceria com a Expresso
Executivo participa de formatura do projeto “Formando Crianças Para o Futuro’’

Executivo participa de formatura do projeto “Formando Crianças Para o Futuro’’

                  O programa é uma realização da Brigada Militar Na manhã de sexta-feira (16), no Largo do Baronda, aconteceu a formatura da
Jogo da Superliga de Vôlei acontece em Capão da Canoa

Jogo da Superliga de Vôlei acontece em Capão da Canoa

      Os portões abrem às 18h e as equipes entram em quadra às 21h A elite do voleibol brasileiro terá ligação próxima
Capão da Canoa será palco da Summer Night Run no sábado

Capão da Canoa será palco da Summer Night Run no sábado

  Serão premiados com troféus e brindes os 5 primeiros colocados nas provas de 3km, 5km e 10km Nesse sábado (17), um
Vereador Ademar fala sobre diversos temas políticos e do Município

Vereador Ademar fala sobre diversos temas políticos e do Município

                              “Se querem uma teta, vão comprar uma vaca!”   Na última segunda-feira, 5 de fevereiro, a Câmara de Vereadores de Palmares do
Burger e Beer reúne gastronomia e diversão

Burger e Beer reúne gastronomia e diversão

                                                  Encontro temático ocorre no dia 13 de fevereiro, no Vale dos Vinhedos, na Serra gaúcha Com hambúrgueres, chopes e músicas de
Conheça a programação de carnaval 2018 em Capão da Canoa

Conheça a programação de carnaval 2018 em Capão da Canoa

                                    Shows acontecem também em Arroio Teixeira, Capão Novo e Curumim A Prefeitura de Capão da Canoa, por meio da Secretaria de
Projetos de Lei apreciados na Sessão Extraordinária da Câmara de Vereadores de Osório

Projetos de Lei apreciados na Sessão Extraordinária da Câmara de Vereadores de Osório

Aconteceu na noite desta quarta-feira (07/02), no plenário Francisco Maineri, a primeira sessão extraordinária do ano. Com a presença dos

Lava Jato


Operacaoo-Lava-Jato1
Esta postagem foi publicada em 12 de abril de 2016 Brasil, Destaques 1, Política.

Nova fase da Operação Lava Jato prende o ex-senador Gim Argello

Ação é realizada desde a manhã desta terça (12) e cumpre 22 mandados.
Operação mira o ex-senador Gim Argello e duas pessoas ligadas a ele.

A Polícia Federal (PF) cumpre a 28ª fase da Operação Lava Jato desde a madrugada desta terça-feira (12) em São Paulo, Rio de Janeiro, Taguatinga (DF) e Brasília. A ação foi batizada de “Vitória de Pirro” e cumpre 22 mandados judiciais. Um deles, de prisão preventiva, é contta o ex-senador Gim Argello (PTB-DF).

Um dos mandados de busca e apreensão mira a sede empreiteira OAS, em São Paulo.

O nome de Gim Argello apareceu na delação do senador Delcídio do Amaral. Segundo Delcídio, Gim e outros parlamentares cobravam dinheiro de empreiteiros investigados na Lava Jato para que eles não fosses chamados para depor na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI).

O filho dele, Jorge Argello Júnior, também foi alvo de um mandado de condução coercitiva, segundo a PF. Os demais alvos de conduções são contra: Roberto Zardi Ferreira Jorge, Gustavo Nunes da Silva Rocha, Dilson de Cerqueira Paiva Filho e Marcos Paulo Ramalho.

Do total de ordens, duas são de prisão temporária, uma de prisão preventiva, 14 de busca e apreensão e cinco de condução coercitiva, quando a pessoa é obrigada a prestar depoimento. (Inicialmente a PF havia informado que tinham sido expedidos quatro mandados de condução corcitiva. Na verdade, eram cinco. A informação foi corrigida às 8h).

Os mandados de prisão temporária são contra pessoas ligadas a Gim Argello, segundo a PF, mas os nomes ainda não foram divulgados.

Ex-senador Gim Argello durante reunião da CPMI da Petrobras em 17 de dezembro de 2014 (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)Ex-senador Gim Argello foi preso na 28ª fase
da Lava Jato (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

Indícios concretos
A PF também disse que há indícios concretos de que Gim, que foi integrante da CPI, instaurada no Senado Federal, e vice-presidente da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI), instaurada no Congresso Nacional, em 2014, tentou evitar a convocação de empreiteiros para prestarem depoimento, mediante a cobrança de pagamentos indevidos disfarçados de doações eleitorais.

O ex-diretor financeiro da UTC Engenharia Walmir Pinheiro Santana, um dos delatores do esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato, relatou em depoimento à Procuradoria Geral da República um suposto acordo firmado em 2014 entre o dono da empresa, Ricardo Pessoa, e o ex-senador Gim Argello.

Pelo acordo, Pessoa não seria chamado a depor na CPI mista da Petrobras, que à época tinha Argello como vice-presidente, e, em contrapartida, o empresário repassaria recursos a pessoas indicadas pelo então senador

Ainda de acordo com a delação de Walmir Pinheiro, a UTC repassou R$ 5 milhões a quatro partidos a pedido de Argello. O acordo, segundo o delator, seria “um tipo de blindagem” a Ricardo Pessoa.

Os crimes investigados nesta etapa são concussão, corrupção ativa, associação criminosa e lavagem de dinheiro.

A prisão temporária tem prazo de cinco dias e pode ser prorrogada pelo mesmo período ou convertida em preventiva, que é quando o investigado fica preso à disposição da Justiça sem prazo pré-determinado.

Vitória de Pirro
Sobre o nome da operação, a PF disse que “remete a expressão histórica que representa  uma vitória obtida mediante alto custo, popularmente adotada para vitórias consideradas inúteis.

Em que pese a atuação criminosa dos investigados no sentido de impedir o sucesso da apuração dos fatos na CPI/Senado e CPMI/Congresso Nacional, tal fato se mostrou inútil frente aos resultados das investigações realizadas no âmbito da denominada Operação Lava Jato”.

Gim Argello
Gim, como é conhecido, fez toda a carreira política no Distrito Federal e teve influência em sucessivas administrações do governo distrital, independentemente de quem era o governador.

Em 98, foi eleito deputado distrital, pelo antigo PFL. No mesmo mandato, foi presidente da Câmara Legislativa.

Em 2002, foi reeleito. Nas eleições seguintes, já no PTB, concorreu como suplente do ex-senador Joaquim Roriz. Quando Roriz renunciou ao mandato, em 2007, para evitar a cassação, Gim assumiu.

Em 2014, o nome dele chegou a ser levado por integrantes da base aliada para o governo como indicação para o Tribunal de Contas da União. A indicação de Gim, no entanto, não foi adiante.

No mesmo ano, ele concorreu a um novo mandato no Senado e perdeu. Atualmente, não exerce nenhum mandato político.


111 Visualizações

Notícias em Destaque